:: Página Principal.
:: Documentário da Igreja.
:: O Poder da Santa Missa.
:: O Poder do Santo Rosário
:: Aparições de N. Senhora.
:: A Vida dos Santos.
 
:: As Grandiosas Orações.
:: As Orações e Promessas.
:: As Devoções.
 
:: O Relógio da Paixão.
:: A Divina Misericórdia.
:: A Mediação de Maria.
 
:: A Catequese do Papa.
:: Guerreiros da últ. Ordem.
:: Os Sinais do Apocalipse.
 
:: O Estudo da Liturgia.
:: A Imitação de Cristo.
:: Confessai-vos bem.
 
:: Confissões do Inferno.
:: O Milagre de Lanciano.
:: A Contrição Perfeita.
 
:: Eucaristia ou Nada.
:: Beato João Paulo II.
:: Papa Bento XVI.
 
:: O Catecismo da Igreja.

 

NA SANTA MISSA, JESUS CRISTO RENOVA SUA MORTE.

 

 


 
O Divino Espírito Santo.

www.obradoespiritosanto.com

 

 

"Não há maior prova de amor de que dar a própria vida por seus amigos" (Jo, 15, 13). Estas palavras Nosso Senhor as pronunciou algumas horas antes de cumpri-las.

 

Com efeito, dar a vida, que é o mais precioso bem do homem, por uma pessoa, é o maior ato de generosidade possível.

         O amor de Jesus Cristo foi, incomparavelmente, mais longe ainda, visto que deu a vida, a mais nobre, a mais santa que jamais houve, não somente por seus amigos, como também pelos próprios inimigos! E acrescenta: "Dou minha vida por minhas ovelhas" (Jo. 10, 15). Não disse: Darei minha vida, nem dei-a, mas "Eu a dou", o que significa que continua a dá-la sempre. Esta imolação se realiza, cada dia, na Santa Missa da maneira seguinte:

 

            Era uso, antigamente, representar a Paixão por um drama. Em certos lugares, notadamente em Oberammergau, este costume manteve-se até hoje e atrai milhares de espectadores de todas as partes do mundo. Prega-se na cruz um homem que nela fica suspenso até que pareça exalar o último suspiro em sofrimentos extremos, e isto tão ao natural, que os assistentes fundem-se em lágrimas.

        

         Na santa Missa, porém, ninguém faz o papel de Jesus Cristo moribundo, mas é o próprio Senhor que se imola. Não quis Ele confiar o cumprimento deste Sacrifício nem a um Anjo nem a um Santo, porque os julgava incapazes de executá-lo inteiramente, e sabia que sua presença não enterneceria o coração do Pai no mesmo grau. Eis porque renova, em cada Missa, sua morte dolorosíssima tal como se realizou sobre o Calvário.

 

         Quando, na última Ceia, instituiu o Santíssimo Sacramento, não quis fazê-lo nem de uma só vez nem de uma só espécie, porém quis consagrar duas vezes e sob duas espécies, e isto para nos lembrar, mais vivamente, sua morte. Ainda que, debaixo da espécie de pão, o Sangue esteja também presente, e ainda que o Corpo se ache sob a espécie do vinho, contudo, pela consagração feita sob as duas espécies e pela força das palavras sacramentais, o Corpo é chamado sob apenas as espécies de pão e o Sangue sob as do vinho, de modo a representar, claramente, a separação de um do outro, o que é a própria morte, embora repetimos, por concomitância, o Corpo esteja também sob a espécie de vinho, e o Sangue, sob a do pão.

 

         Lancício escreve sobre este assunto: "Como a morte é motivada pela separação do sangue do corpo, e como Jesus Cristo morreu sobre a Cruz por esta separação natural, na Missa também, sua morte nos é representada pela separação do seu Sangue" (De Missa, tom. 2, c. 5).

        

         Morrendo sob os olhos de seu Pai, Jesus testemunha-lhe a mesma obediência perfeitíssima que lhe testemunhou, morrendo sobre a Cruz. Foi submisso em tudo, mas nada custou tanto à sua natureza humana como fazer-se "obediente até a morte e a morte de Cruz" (Fil., 2, 8). Também esta obediência foi tão agradável a Deus que, para recompensá-la, "Deus elevou-o soberanamente e deu-lhe o nome que está acima de todo o nome".

         Como dissemos, esta obediência perfeita o Salvador oferece-a a seu Pai durante a Missa e, com ela, as magníficas virtudes que praticou na perfeita inocência, na profunda humildade, na inalterável paciência, na ardente caridade, não somente para seu Pai celeste, como também para os seus carrascos, seus inimigos e todos os pecadores.

 

         Jesus mostra também a seu Pai as amargas dores sofridas na Cruz: sua agonia inexprimível, os terrores que o oprimiram, os membros deslocados, a lança que lhe traspassou o coração. Tudo isto representado tão ao vivo como se ainda estivesse sobre o Calvário. E como então aplacara a cólera de seu Pai e havia reconciliado o mundo, comove ainda este coração paterno em nosso favor em cada Missa, prosseguindo assim a obra de nossa redenção.

 

         Vejamos também, segundo os doutores, o grande proveito que nos garante esta morte mística.

        

         São Gregório diz: "Este Sacrifício preserva a alma da perdição eterna, renovando a morte do Filho de Deus". Consoladoras palavras para os que, à vista de seus pecados, temem o inferno, pois o santo Papa afirma, expressamente, que a imolação do Salvador se efetua, misticamente, na santa Missa, e proclama-lhe a virtude para nos preservar da morte eterna. Quereis escapar ao inferno? Ouvi bem a santa Missa, honrai a morte de Jesus Cristo e oferecei-a a Deus Padre.

        

         Segundo o sábio Mansi, a santa Missa é um simples memorial do Sacrifício cruento da cruz, visto que a mesma vítima que foi oferecida no Calvário é também nela ofertada; portanto, este sacrifício místico não tem menos valor que o sacrifício cruento.

 

         O que escreve o cardeal Hosius a respeito não é menos consolador. "Bem que, na santa Missa, diz ele, não imolemos Jesus Cristo fisicamente, pela segunda vez, contudo os méritos de sua morte nos são aplicados de modo tão eficaz como se ela fosse atual" (De Euchar. c. 41). E, para nos penetrar bem desta verdade, o cardeal acrescenta: "Sim, neste mistério, a Morte de Cristo e os frutos desta morte nos são apropriados como se Jesus morresse realmente".

 

         Ruperto, abade de Deutz, diz: "Tanto é verdade que Jesus Cristo, suspenso na Cruz, obteve o perdão dos pecados a todos os que tinham esperado sua vinda, desde o começo do mundo, como é verdade que, sob as espécies do pão e do vinho, nos alcança a mesma graça" (In Joann).

 

         O padre Segneri trata deste assunto igualmente: "O Sacrifício da cruz foi a causa geral da remissão dos pecados: o Sacrifício do Altar é a causa particular que apropria a este ou àquele os efeitos do precioso Sangue. A Paixão e a Morte do Salvador acumularam este tesouro; a santa Missa o distribui. A Morte de Cristo é a tesouraria, e a santa Missa, a chave para abri-la" (In Homine Christ. disc. 12. c. 9).

 

         Possam essas palavras animar os que são pobres de méritos e tirá-los do Coração de Jesus, pela assistência à santa Missa.

 

         A Santíssima Virgem disse, um dia, ao seu fiel servo Alano: "Meu Filho ama tanto aos que assistem ao Sacrifício que, se fosse possível, morreria por eles tantas vezes quantas ouvissem a santa Missa" (B Alan. rediviv. p. 2; c. 7, n. 26). Palavras apenas críveis, e, entretanto, exprimem somente o amor infinito que leva Nosso Senhor a morrer, diariamente, não uma vez, mas milhares de vezes, pelos pobres pecadores.

 

         Vai, pois, cada dia à Missa, assiste-a com toda a devoção possível; lembra-te que acompanhas a Jesus Cristo ao Gólgota e à morte, "porque, diz o autor da "Imitação de Cristo", quando celebrares, ou assistires a Missa, este divino Sacrifício deve parecer-te tão grande, tão novo, tão digno de amor, como se nesse mesmo dia, Jesus Cristo, suspenso na Cruz, sofresse e morresse pela salvação dos homens".

 

www.obradoespiritosanto.com

 

 

 

 

       © Últimas e Derradeiras Graças